© 2019 by teatro voador não identificado

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Vimeo
  • medium

quem somos

1/1

O Teatro Voador Não Identificado é uma companhia de teatro do Rio de Janeiro que, desde 2011, desenvolve uma pesquisa particular nas áreas de dramaturgia e estética teatral contemporâneas. Seus trabalhos são caracterizados pela ideia de apresentação única (dando a ver as potencialidades do acaso e do efêmero) e propõem experiências cênicas que consideram a presença física do espectador no espaço teatral, através de uma linguagem que frequentemente entrelaça elementos de ficção e realidade.

 

O grupo é composto por nove artistas que se dividem em diferentes funções: Elsa Romero (cenógrafa, figurinista, iluminadora e atriz), Gabriel Vaz (ator e músico), Gaia Catta (cenógrafa, figurinista e iluminadora), Isadora Petrauskas (cenógrafa e iluminadora), Julia Bernat (atriz, diretora e dramaturga), Leandro Romano (diretor, produtor e ator), Lia Maia (cenógrafa e figurinista), Luiz Antonio Ribeiro (dramaturgo) e Pedro Henrique Müller (ator).

 

Entre seus projetos mais recentes, destaca-se O PROCESSO (2014), baseado na obra homônima de Franz Kafka, espetáculo pelo qual a companhia foi indicada ao Prêmio Shell/RJ na Categoria Inovação. Tendo como protagonista um ator convidado diferente a cada apresentação, a peça contou com a participação de importantes artistas da cena contemporânea (Gregorio Duvivier, Charles Fricks, Lilia Cabral, Julio Adrião, Fabio Porchat, Mateus Solano, entre outros) em seis bem sucedidas temporadas no Rio de Janeiro e em Curitiba. Recentemente, o grupo estreou seu sétimo espetáculo, AS MIL E UMA NOITES (com o patrocínio da Oi), uma adaptação do clássico árabe. Contando uma história diferente a cada dia, a dramaturgia possui mais de 1000 páginas divididas em 33 apresentações.

 

O primeiro espetáculo da companhia, PONTO FRACO (2011), realizou diversas apresentações dentro do circuito universitário, proporcionando debates com alunos e professores de escolas de teatro. Em 2012, o grupo foi selecionado para a residência artística Vem! (organizada pelo diretor Alexandre Mello no Centro Cultural Calouste Gulbenkian, Rio de Janeiro), onde recebeu apoio para a montagem de SHUFFLE, espetáculo que, em 2014, foi uma das atrações do I FIT Rio (Festival Internacional de Teatro do Rio de Janeiro). Ainda em 2012, a companhia se apresentou na Mostra Minimalista (Petrópolis, RJ) com SONO (OU SUSPENSÃO TEMPORÁRIA DA PERCEPÇÃO SENSORIAL E MOTORA), cena vencedora da mostra, e no Festival de Inverno do Midrash (Leblon, Rio de Janeiro) com a leitura dramatizada dos textos STRIPTEASE e SONHO COM REVÓLVER, ambos da encenadora argentina Lola Arias, uma das influências artísticas do grupo. No ano seguinte, participou do Projeto CoIsA (Reduto, Rio de Janeiro), onde recebeu a supervisão artística de Jefferson Miranda (diretor da ciateatroautônomo) na criação de TEMPO REAL (2013), espetáculo que estreou no I FITU (Unirio) e, posteriormente, foi apresentado no FESTU (PUC-Rio) e em diferentes teatros da cidade do Rio de Janeiro. Em 2014, o Teatro Voador Não Identificado promoveu uma ocupação na Sede das Cias (Lapa, Rio de Janeiro), onde exibiu seu repertório completo e ofereceu uma oficina para atores, ministrada pelo diretor Leandro Romano.

 

Em 2016, a companhia montou o monólogo O FIGURANTE, interpretado por Pedro Henrique Müller, no Sesc Copacabana (Rio de Janeiro). Em 2017, realizou sua primeira experiência fora do país com o solo ÚLTIMO ANCESTRAL COMUM, no Porto (Portugal), espetáculo escrito, dirigido e interpretado por Leandro Romano. Atualmente, o grupo trabalha em novos projetos, ainda sem data de estreia definidas.

colaboradores

 

Atuam como colaboradores frequentes da companhia:

Daniel Passi, ator

Felipe Ventura, músico

Larissa Siqueira, atriz e iluminadora